Procurar por:
A importância da segmentação de público-alvo no varejo

A segmentação de público-alvo no varejo permite que você faça ações de marketing completamente direcionadas, promovendo um amplo alcance da marca e captando mais leads.

Hoje em dia, há muita concorrência entre as empresas, principalmente na área de varejo, por isso a necessidade de rever quem é o seu público-alvo e como atingi-lo de forma efetiva, a fim de se sobressair em relação aos concorrentes e melhorar as vendas!

Qual a importância da segmentação de público-alvo?

As campanhas de marketing precisam ser direcionadas para chamar atenção do público e fazer com que ele fique interessado no que você está propondo e oferecendo.

No varejo, é comum ter muitas opções de produtos e serviços. Entretanto, se quiser vender mais e ter sucesso, é preciso que você conheça o perfil dos seus consumidores, em relação à idade, renda, região, interesses e preferências. Quando você sabe o perfil de compra, pode produzir conteúdo conforme essas expectativas.

Por isso, também a necessidade de rever o seu nicho e verificar se vale a pena ou não aumentar suas possibilidades. Para cada nicho diferenciado, mais pesquisas deverão ser feitas para definir o público. Com a segmentação, é mais fácil alcançar as metas e objetivos de uma empresa.

Quer uma sugestão simples e rápida que pode levar você a fidelizar clientes com segmentação? Então, conquiste-os com cartões presentes e perceba os resultados!

Como realizar a segmentação de público-alvo?

Invista em pesquisa

O que pode lhe ajudar nessa empreitada é pesquisar muito! Isso quer dizer que você deve estar onde seus clientes estão. Nas mídias sociais, nos blogs, seja onde for. Dessa forma, você acaba conhecendo melhor quem são os seus potenciais consumidores.

Não só isso, mas essa pesquisa também pode ser feita de forma qualitativa, realizando questionários online ou em campo. O que muitas empresas de varejo fazem é analisar a concorrência e verificar quais ações de marketing criam para atrair o público-alvo.

Com as pesquisas, você terá em mãos os dados para complementar suas campanhas e direcionar seus produtos e serviços a um público que está interessado.

Não confunda gosto do gestor com o do cliente

Quando se está segmentando, é possível que o gestor tenda a realizar campanhas e fazer pedidos conforme o seu gosto e suas preferências. Além de ser um “tiro no pé”, você não está respeitando o perfil do cliente.

Claro que, às vezes, os gostos são parecidos, mas você deve sempre se colocar no lugar do consumidor: como pode ser conquistado? O que espera de você? Como você chegará a cada lead?

Lembre-se de que nem sempre o que você acha bom será bom também para o cliente!

Defina os canais de comunicação

É muito importante que você defina os canais de comunicação. Como a sua empresa de varejo é de um tamanho médio para grande, é vital que se estabeleça uma presença digital forte no ambiente online, que seja ativo nas redes sociais e crie campanhas de marketing segmentadas.

O e-mail marketing é uma das estratégias que mais funciona para guiar o cliente conforme a sua jornada e saber melhor as suas preferências. Aliás, é essencial que você preste atenção nos feedbacks dos clientes para aprimorar suas campanhas e direcioná-las mais eficientemente.

Então, se você gostou do nosso post sobre segmentação de clientes e quer saber mais sobre o assunto, siga a gente no Facebook e LinkedIn!

Consumidor exigente: 4 conselhos para lidar com eles

O perfil do consumidor mudou radicalmente nos últimos anos. Mídias sociais, fóruns colaborativos e até inovações legislativas ligadas ao direito do consumidor, tornaram os clientes das empresas ainda mais ativos e exigentes. Hoje, são capazes de se organizar para criticar organizações, exigir direitos e, inclusive, boicotar produtos — tudo isso com um simples clique. É chegado o momento, portanto, de reavaliar o posicionamento da empresa no mercado.

Nunca foi tão importante o investimento em ações e estratégias de relacionamento com o objetivo de fidelizar os consumidores. Por isso, resolvemos trazer, nesse post, alguns conselhos para quem planeja garantir a satisfação do novo consumidor exigente. Confira a seguir!

1 – Identifique o problema

Antes de qualquer diálogo, é preciso que o atendente identifique com clareza o problema do cliente. Algumas empresas, por sinal, realizam um mapeamento detalhado de todas as situações comuns, apresentando soluções padronizadas para cada uma delas. Essa é uma forma de treinar os colaboradores a tomar ações rapidamente, mas que não pode parar por aí.

Hoje, a nova demanda do consumidor é um atendimento personalizado. Embora a criação desse tipo de catálogo possa ser uma estratégia eficiente, é fundamental ouvir sempre o que o cliente tem a dizer. Esse será o próximo ponto a ser explorado por nós.

2 – Ofereça um atendimento personalizado

O atendimento nunca foi tão importante para as empresas. Aos olhos de muitos consumidores, esse contato é mais importante do que o preço e a qualidade do produto. Por isso, é muito importante que todos os profissionais sejam bem treinados, do vendedor ao caixa.

Uma das soluções mais importantes que podem ser adotadas pelas empresas é o CRM (Consumer Relationship Management). Com ele, o gestor pode monitorar todo o histórico dos clientes e adquirir dados importantes, que poderão ser convertidos em ações para um atendimento mais personalizado e assertivo.

3 – Defina políticas com clareza

Como o consumidor deve proceder caso tenha algum problema? Em uma loja de roupas, por exemplo, como é a política de trocas? Se for a prestação de algum serviço, como acionar a assistência técnica? É fundamental não só que as empresas tenham políticas para a resolução de problemas, como também que deixe todas essas soluções claras para os clientes.

Assim, é possível evitar que o cliente torne qualquer tipo de problema maior do que ele realmente é. Como vimos, hoje, é comum que as pessoas compartilhem experiências ruins nas mídias sociais, fóruns e até em portais especializados, como o Reclame Aqui. Com políticas definidas e ao alcance do consumidor exigente, é possível resolver qualquer situação antes que ela chegue nesse estágio.

4 – Reformule a cultura organizacional

Por fim, é fundamental que a empresa reformule completamente a sua cultura organizacional. É preciso que toda a empresa esteja envolvida com a satisfação do cliente: do gerente ao caixa, do gestor do negócio aos fornecedores.

Alguns já chamam esse posicionamento, em que o cliente é o grande protagonista, como pirâmide invertida. A preocupação deve vir, primeiro, com o cliente, depois os vendedores, gerentes até, só então, chegar ao gestor. Essa é uma lógica que pode ser trabalhada e se tornar um verdadeiro modus operandi do seu negócio.

Gostou das nossas dicas sobre como lidar com um consumidor exigente? Então, confira o nosso post com 4 formas de promover a fidelização do cliente no varejo!

Como vender mais no varejo usando Big Data?

Você sabia que a profusão de informações sobre volume e fluxo de vendas coletadas e armazenadas nos bancos de dados da sua empresa têm muito mais utilidade do que apenas manter controle de estoque e de livros financeiros?

Quando analisadas com cuidado, elas podem orientar estratégias de venda direcionada e de marketing personalizado, que se tornaram segredos de como vender mais. É isso o que se chama de Big Data.

O Big Data permite que empresas extraiam dos números respostas valiosas para perguntas como:

  • Qual é o perfil do cliente?

  • Quando ele mais compra?

  • Quanto ele costuma comprar?

  • Quais são seus itens preferidos?

  • Quais são suas necessidades?

  • Como ele se informa sobre as novidades do mercado e da minha marca?

Para chegar às respostas, é claro, será preciso investir em tecnologia, organização e inteligência artificial. O investimento, no entanto, dá um retorno considerável.

Nos Estados Unidos, onde a estratégia já é usada há bastante tempo, o volume de negócios aumentou em cinco vezes nos últimos cinco anos. De acordo com um levantamento feito pela consultoria IDC, o valor de negócios propiciados pelo Big Data era de US$3,2 bilhões em 2010 e passou para US$16,9 bilhões, em 2015. Em 2016, no Brasil, a IDC estimou que esse mercado movimentará R$3,2 bilhões.

Conheça alguma das possibilidades mais interessantes que o Big Data permite para o seu negócio e comece já a adotá-las para aprender como vender mais no varejo:

1. Entregue ao cliente o que ele quer antes mesmo que ele saiba

A montagem de uma vitrine de modelos de roupas, como as vistas em lojas de Renner, está longe de se basear apenas em conceitos de moda, de cor ou de estética. Antes de escolher as peças que ficarão no espaço nobre e que terão a missão de atrair o cliente, a empresa adota o Big Data para saber o que os clientes desejam.

Comentários em redes sociais da loja, aumento de vendas de um determinado tipo de peça ou de uma cor ou estampa específica e combinações que tem atraído o público-alvo da marca determinam o que deverá ser exposto.

A ideia é se antecipar ao cliente, mostrar a ele o que tem sido falado, criar na pessoa a necessidade daquele produto e não fazê-lo sequer ter trabalho para buscar pelo item nas araras.

A venda direcionada a partir das informações fornecidas pelo próprio cliente tem muito mais chances de sucesso do que uma estratégia de vendas às cegas.

2. Descubra onde o cliente está e vá até ele

Informações fornecidas pelos clientes sobre onde estudam, trabalham e moram são valiosas para determinar se há falhas na rede de serviços e ofertas de produtos e em que ponto seria interessante abrir um estabelecimento.

Um exemplo clássico dessa estratégia é adotada pela empresa de telefonia celular Vivo. Por meio do sinal do aparelho de seus clientes, a empresa detecta onde a maioria está, que tipo de uso é feito e onde a rede precisa ser aumentada ou diminuída, maximizando os lucros da companhia.

3. Formule estratégia de marketing personalizado

Se você sabe como, quanto, quando e o quê seu cliente está buscando, poderá refinar e personalizar a oferta de promoções e de estratégias de fidelidade que oferece a cada um ou a cada grupo de pessoas.

A varejista de departamento americana Target foi capaz de criar um sistema tão poderoso de leitura das informações dos clientes que sabia, por meio dos itens comprados mais recentemente (sabão neutro, tapete hipoalergênico, etc), se a cliente estava grávida e quando era a hora de enviar para a casa dela cartas com promoções de produtos para mãe e bebês.

A mesma lógica serve para criar ferramentas de sugestões e recomendações de compra. É o que faz a Amazon, por exemplo. Sabendo que tipo de livro um usuário comprou nos últimos 3 meses, a empresa tem grandes chances de sugerir títulos semelhantes na hora da compra e contar com o impulso do cliente.

Lembre-se de utilizar o Big Data com ética e sem quebra de confidencialidade. O bom uso do sistema garantirá clientes assíduos. E, para melhores resultados, leia o nosso post e fique atento a outras tendências modernas de como vender mais.

Consumidores do futuro: como vender para a geração Z?

Eles só procuram lojas físicas quando precisam resolver um problema. São tão consumistas quanto seus antecessores (a geração Y) e têm acesso a uma infinidade de conteúdos gratuitos, entendendo que essa prática é normal e que nem sempre “comprar” significa “pagar” por algo. Bem-vindo à era da geração Z, os consumidores do futuro!

Você certamente já ouviu falar dos perfis geracionais, utilizados há bastante tempo na área de recursos humanos e que correspondem aos “baby boomers”, ao lado das gerações X, Y e Z.

Gerações X, Y e Z

Numa visão geral, os “baby boomers” são aqueles que nasceram entre 1946 e 1964. Apesar de terem criado o movimento hippie e outras formas de contestação, essas pessoas sentem dificuldade em adaptar-se a um mundo em constante mutação.

A geração X, surgida em meados dos anos 60, presenciou o nascimento da computação e a chegada dos aparelhos eletrônicos às casas e escritórios. E, finalmente, a geração Y, que cresceu em meio à revolução proporcionada pela internet, é aquela que vê a inovação como algo natural e inevitável.

Ainda que haja algumas divergências, classificações como essas estão se tornando importantes aliadas do mercado, no momento em que varejistas de todos os tamanhos buscam identificar quem são e o que querem seus clientes. Vamos conhecer agora o mais novo integrante dos perfis de consumo, a chamada geração Z.

Os consumidores do futuro vão às compras

Basicamente, a geração Z é formada por crianças e adolescentes para os quais não faz sentido falar em “conectar-se”, uma vez que eles estão sempre conectados e não conhecem outro tipo de relação com o mundo. O smartphone é uma extensão de suas mãos e, na interpretação deles, as interações online são tão “reais” quanto qualquer outra.

Um de seus passatempos favoritos é fazer downloads gratuitos de livros, filmes, músicas, HQs e todo tipo de conteúdo relacionado ao entretenimento. Gastar dinheiro com itens em formato físico não é tão comum, a não ser que o objeto de desejo seja um gadget ou outro produto de tecnologia.

Dinâmicos e autossuficientes, os integrantes da geração Z não veem problema em mudar de opinião o tempo todo, o que pode ser tornar o pesadelo dos estrategistas de marketing. Além disso, são críticos ao extremo, com baixa tolerância à frustração e ao descumprimento das promessas feitas por marcas e fabricantes.

Como as lojas devem se preparar para atender à geração Z

Quer vender para a geração Z? Então não abra mão do conceito de sustentabilidade, que é um dos mais apreciados por esses jovens consumidores. Atentos ao discurso sobre o impacto da ação humana no ambiente, eles entendem que as empresas devem assumir a responsabilidade e agir eticamente em qualquer circunstância.

A geração Z também quer que as marcas se relacionem com ela de forma transparente, sem subterfúgios ou táticas enganosas. A comunicação precisa ser simples e honesta, mantendo portas abertas para o diálogo e as sugestões.

Os nativos digitais também preferem atendimento via mensagens de texto, chats e redes sociais, ao invés do telefone. Gostam de resolver dúvidas e problemas rapidamente e, se possível, por conta própria (via tutorial em vídeo, por exemplo).

Consumidores do futuro? Nem tanto, afinal eles já estão aí e também já influenciam bastante nas decisões de compra de seus pais. Portanto, o melhor é tratar de adaptar-se a eles o quanto antes!

E então, o que achou do texto? Deixe um comentário e compartilhe sua opinião sobre os consumidores do futuro!


Rogério Lima é Diretor de Marketing e Vendas da epay Brasil e escreve sobre tendências para o varejo.

Marketing nas redes sociais: 4 motivos para investir

Mais que qualquer um, os empresários sabem o quanto é importante estar atentos a novas possibilidade de fazer negócio. Nem sempre é possível investir rios de dinheiro, mas é possível contornar a falta de recursos sabendo usar o marketing a favor da sua marca. E um caminho barato e fácil para isso é o marketing nas redes sociais. Elas estão presentes nos computadores, tablets e celulares de praticamente todas as pessoas e, se usadas da forma correta, podem se converter – e muito – em vendas.

A seguir, aprenda 4 dicas de como usar o marketing nas redes sociais para sair da crise e vender mais.

1 – Conheça seu público

Saber quem compra na sua loja ou consome seus serviços é fundamental para atingir o público de forma assertiva. Mapeie o perfil do seu cliente e identifique, antes de mais nada, em que redes sociais ele está presente, que tipo de conteúdo gosta mais, etc.

Com uma pesquisa detalhada de sua jornada, você consegue atingi-lo no momento que ele mais estiver inclinado a consumir, seja por meio de um anúncio no Facebook, um post no Twitter ou um vídeo rápido no Snapchat.

2 – Personalize seu conteúdo

Ao investir no marketing nas redes sociais é importante ter em mente que o público só terá interesse no conteúdo da sua empresa nesses meios se ele for interessante, original e que tenha a ver com o cliente.

Por isso é tão importante ter feito o mapeamento, assim você consegue customizar seus posts para que tenham a cara da sua marca e, principalmente, a cara do seu cliente. Uma ideia, por exemplo, é fazer posts patrocinados no Facebook apenas para clientes com o nome “Felipe” e incluir na mensagem, uma chamada personalizada do tipo: “Oi Felipe, já pensou em adquirir o produto X?”. Com certeza você chamará a atenção desse grupo específico!

3 – Crie ofertas tentadoras

Em tempos de crise, seu cliente valorizará o produto que tiver o melhor custo-benefício. Assim, as redes sociais são um ótimo espaço para você divulgar as melhores ofertas da sua empresa. Cupons de desconto, especial do dia, concurso cultural — tudo vale para chamar a atenção do cliente e atraí-lo para o consumo.

Um exemplo de quem vem usando essa estratégia é a lanchonete de fast food McDonald’s. Por meio de sua página no Facebook, a marca distribui todo mês uma série de cupons de desconto, aumentando as vendas não só dos produtos nos cupons como também de acompanhamentos que os clientes acabam comprando também.

4 – Dê atenção ao cliente

Como o próprio nome já indica, as redes sociais são canais criados para as pessoas se comunicarem. Então, se você inserir sua empresa nesse universo, não deixe de interagir com seus clientes. Não adianta fazer vários posts se você não responde comentários e mensagens que o público te manda.

Aproveite o espaço para dar feedback pra eles e também receber retorno sobre suas estratégias. As redes sociais são um ótimo ambiente para receber críticas, elogios e sugestões do seu público, mensurando sua reputação, onde você pode melhorar, etc.

Deu pra entender o quanto de potencial está escondido no marketing nas redes sociais, né? Invista nessa modalidade e veja os resultados em pouco tempo e, o melhor, gastando quase nada. Nas redes sociais, mais vale o tempo que você se dedica criando os posts e interagindo com seu público do que o dinheiro gasto em anúncios.

E sua empresa? Já está nas redes sociais? Que tipo de estratégia você usa nesse meio? Comenta pra gente trocar ideias sobre o assunto!

Por que é importante ter um mix de produtos diversificado?

O conjunto de itens individuais, em suas diversas linhas e subdivisões, é o que chamamos de mix de produtos — ele, normalmente, é disponibilizado em uma loja do varejo para atrair determinado público-alvo e alavancar vendas e lucratividade.

Vários aspectos interferem na composição do mix de produtos, tais como: poder aquisitivo do público-alvo, conhecimento do perfil e interesses do cliente, localização e dimensões da loja, ciclo de vida dos produtos, a área de negócios da empresa, a aparelhagem existente para exposição dos produtos (vitrine, prateleiras, araras, manequins, gôndolas, etc.), a gama de fornecedores, as políticas financeiras e de estoques da organização, etc.

No post de hoje, mostraremos por que é importante ter um mix de produtos diversificado em seu empreendimento. Confira:

Proporciona praticidade e comodidade para o cliente

Quando o cliente encontra produtos complementares em um só ponto de venda (PDV), que lhe conferem a comodidade de não ter que se deslocar para diversas lojas, fica mais prático realizar as compras naquele local.

Alguns exemplos de produtos complementares são:

  • shampoo, condicionador e creme para pentear;

  • computador, impressora e estabilizador;

  • carne, espeto para churrasco e carvão;

  • cama, colchão e travesseiro;

  • calça, blusa e roupas íntimas.

Aumenta o ticket médio do consumidor

Como o consumidor terá à sua disposição uma gama variada de produtos, a tendência é de que adquira numa mesma compra diversos tipos de produtos, simultaneamente, aumentando o seu ticket médio de consumo.

Amplia as compras por impulso

Quando o cliente está circulando pelo estabelecimento comercial, à procura de determinado produto, acaba adquirindo outros produtos, somente pelo fato de ter visto sua disponibilidade na loja e acabam levando o produto por impulso, o que aumenta o giro de estoque.

Promove a lucratividade

Produtos que têm grande giro, preço baixo e pequena margem de contribuição para os lucros, geram movimento na loja e possibilitam a compra de produtos mais caros e que apresentam maior margem de contribuição, permitindo à sua loja obter a lucratividade necessária para crescer.

Gera competitividade

Oferecer um mix de produtos mais completo do que o disponível na concorrência torna o seu estabelecimento mais competitivo e atraente para os seus clientes e amplia o movimento de pessoas interessadas em comprar.

Distingue a sua marca

Quando o cliente pensar em determinada linha de produtos, lembrará em primeiro lugar da sua loja, pois lá encontrará a variedade de mercadorias que está buscando e terá maior número de opções para escolha.

Um mix de produtos variado traz vantagens competitivas para sua loja, deixa a sua marca na memória do cliente, aumenta as vendas e os resultados financeiros da sua empresa, amplia sua clientela, promove maior rotatividade dos estoques e contribui para o crescimento e sustentabilidade da sua empresa.

Considere todos aspectos citados aqui e desenvolva um mix de produtos que traga um diferencial para sua loja!

Dê especial atenção ao conhecimento do perfil e interesses do cliente, só assim você poderá oferecer produtos diferenciados, de qualidade e que se adequam às expectativas dele — leia também nosso post sobre 4 estratégias para tornar seu varejo uma máquina de vendas.

Entendeu a importância de ter um mix de produtos diversificado? Tem ainda alguma dúvida sobre o assunto? Compartilhe com a gente!

5 presentes criativos para vender mais no varejo

Apostar em presentes criativos para vender mais é uma estratégias que sempre proporciona vantagem competitiva perante a concorrência. As datas comemorativas no Brasil sempre se mostram como uma excelente oportunidade para o varejo, mas a pergunta é: no que exatamente investir para sair na frente? 

Fizemos uma lista com diversas opções criativas que vão ajudar o seu negócio a aumentar as conversões. Vamos a elas?

A importância dos presentes criativos para o varejo

Já se foi o tempo dos presentes clichês e sem personalidade. É preciso aprender a investir em novos formatos, presentes criativos que ajudem a sua loja a ser lembrada pela clientela, não apenas hoje, mas também no futuro. Dentre as possibilidades que você pode oferecer, podemos citar:

1 – Vale presente da loja

Às vezes as pessoas ficam com um enorme dúvida do que deveriam comprar para presentear um ente querido ou um amigo. Portanto, que tal oferecer a elas uma opção que os libertem da necessidade de escolher? Um vale presente pode ser a solução para a sua clientela e, além disso, a oportunidade para trazer novas pessoas para o seu estabelecimento.

2 – Vale presente de empresas parceiras

Dependendo da sua área de atuação, você pode trabalhar com empresas e marcas parceiras (ou pode estabelecer parcerias). Que tal aproveitar para aumentar as vendas oferecendo vale presentes dessas marcas? Garantimos que muitas pessoas vão achar maravilhoso ganhar créditos para o Netflix ou Google Play!

3 – Kits de presentes

Já reparou como alguns clientes não se decidem sobre o que levar por achar “uma caneca muito pouco e um puff demais”? Ajude o seu cliente a escolher a melhor compra a partir de kits de presentes criativos, já embrulhados e combinados. Não só ele vai gostar da sua iniciativa, como vai indicar sua loja como a solução na hora de comprar presentes.

4 – Presentes temáticos

Você não só pode como deve aproveitar as datas comemorativas para vender e lucrar ainda mais! Descubra quais os tipos de presentes criativos sua loja pode adquirir para vender no Natal, Páscoa, dia das crianças, dia dos professores, dia das mães, dos pais — as datas são muitas! Não vai faltar oportunidade! Pode ser algo pequeno, comprado por impulso no caixa ou uma linha que faça sua loja se tornar o verdadeiro espírito da data. O importante é ser atraente e ser condizente com a época do ano.

5 – Venda de experiências

Já pensou em não vender produtos, mas sim experiências? Seja para aquelas pessoas mais difíceis de agradar ou para surpreender, as experiências costumam ser mais valiosas que qualquer produto ou serviço.

Pode ser uma viagem de balão, voo de parapente ou um final de semana em um hotel fazenda. O fato é que a partir do momento em que o cliente percebe que embarcará em uma aventura, a tendência é que ele se apaixone pela ideia.

Adote a estratégia de venda casada

Sabe quando você está em um site comprando determinado produto e ele te sugere itens que também poderia gostar? Traga esta metodologia para o seu empreendimento! Sugira serviços ou produtos que podem ser adicionados às compras do seu cliente. Essa é uma ótima forma de oferecer outros presentes criativos e crescer as vendas! Treine sua equipe para ter sempre na ponta da língua aquele toque especial para fazer daquele presente algo ainda melhor.

Essas são algumas ideias de presentes criativos voltados para o varejo em que você pode investir para poder se destacar. E para vender mais e melhor, que tal conhecer algumas soluções para rentabilizar o seu negócio e gerar mais oportunidades de vendas?

Cartões pré-pagos: suas vantagens e como oferecê-los no e-commerce

Depois de amargar por anos o impacto negativo da oferta do frete-grátis, o e-commerce brasileiro mostra taxas de melhoria na redução dessa prática, que já esteve presente em mais de 50% das vendas online no Brasil e ainda representa 39% de tudo o que é comercializado.

Embora traga vendas e gere boca-a-boca, o frete grátis pode corroer a lucratividade do negócio. Estudos mostram que o brasileiro ainda é “mal-acostumado”, apresentando um índice de 90% de consumidores que afirmam já ter desistido de uma compra por causa do valor do frete.

Na esteira dos desafios da entrega de mercadorias nas vendas online, ainda fazem companhia ao ofensor “frete-grátis” companheiros inseparáveis e igualmente indesejáveis, como dimensões continentais do país, demora na entrega, logística-reversa e o não menos desanimador, roubo de carga.

Contudo, enquanto o setor varejista vive o conflito entre aumento de volumes e custos da absorção do frete, um novo segmento vem crescendo em vendas e atratividade, sem a carga dos riscos e perdas da entrega física.

A venda de serviços através de cartões pré-pagos de conteúdo, já bastante relevante no brick and mortar, vem ocupando seu espaço cada vez mais sólido junto ao consumidor do e-commerce: Google Play, Netflix, Xbox e Uber são alguns dos exemplos globais de sucesso de conteúdos comercializados por códigos pré-pagos procurados por milhões de consumidores online diariamente em todo o mundo.

Adquiridos, pagos e em sua maioria utilizados no próprio ambiente digital, os conteúdos de serviços, música, filmes e entretenimento trazem vendas, público e fidelização para as lojas online, deixando para trás no horizonte da operação qualquer traço de atividade logística.

Para oferecer e comercializar com sucesso essa categoria, algumas (simples) medidas devem ser seguidas. Recomendo aqui cinco práticas que, se bem aplicadas, geram atratividade a um público cada vez mais crescente e fiel, sem demandar entrega de produtos.

Crie a Categoria 

Muitas redes varejistas com as quais converso diariamente enfrentam a dificuldade de ampliar sua fronteira de categorias além de produtos tradicionais. No entanto, já é grande o leque de serviços procurados pelos consumidores online, tais como assinaturas de jogos, filmes e softwares, créditos para transporte urbano, viagens, seguros pessoais ou garantia estendida. Para tornar sua loja relevante para esse público, é importante ter as categorias de serviço claramente indexadas na busca do site, como “jogos” ou “entretenimento”, por exemplo.

Quem compra, também compra? 

Serviço não é “tudo igual”. Dentro desse universo, cada qual tem seu público e áreas de interesse. Nem sempre quem consome jogos terá interesse em transporte urbano ou, ainda, quem busca meios de pagamento pode não se interessar por sistemas operacionais ou educação. Para bem aproveitar as oportunidades é necessário um gerenciamento de categoria elementar, aproveitando especialmente as vendas cruzadas que os serviços permitem, inclusive ofertados com produtos tradicionais: na sua loja ou departamento de informática ou eletroeletrônicos agregue o serviço de venda de software para download e destaque as facilidades da compra em conjunto.

Alguns pequenos espinhos no jardim

Atrair um público diferenciado e fiel e ainda vender com a vantagem da entrega imediata. Parecem flores para a rotina de qualquer varejo online, mas alguns pequenos espinhos podem surgir. Para evitá-los, é importante montar uma árvore de decisão dentro da loja e vislumbrar que cada categoria de serviços possui um modelo próprio, com cadeias de valor diferenciadas em margens, prazos de pagamento, impostos, termos e condições de resgate. É importante assimilar cada modelo e buscar parceiros com credibilidade e experiência em atuar com a diversidade, especialmente se você é um marketplace.

Para descer redondo

Como qualquer formato novo, a venda de serviços na loja online precisa ser compreendida e absorvida pela estrutura. Para implantar o novo modelo sem dor, o primeiro passo é colocar a equipe para conhecer os principais fornecedores do mercado, entendendo o fluxo transacional e operacional dos diversos serviços. Depois, reúna seu time de desenvolvimento comercial e marketing e monte sua estratégia de vendas e SEO para gerar maior performance. Teste os principais serviços e sua aderência ao público de sua loja, assim como a visibilidade das categorias.

A loja toda de presente

Além dos conteúdos de grandes marcas nacionais e internacionais, o pincode pode emular a marca de sua loja e transformá-la em um amplo “vale-presente” digital. Crie seu Cartão Presente Digital de marca-própria e estimule o consumidor a “dar a sua loja” de presente.

Ofereça o e-gift como mais uma opção de pagamento, que pode ter a mercadoria retirada na loja física, via Click & Collect ou ainda com a tradicional entrega física de produto.

Afinal de contas, é difícil resistir ao incremento que o bom e velho “frete grátis” traz para as vendas, mesmo sabendo que este crescimento vem acompanhado das grandes emoções dos processos logísticos no Brasil.


Rogério Lima é um executivo sênior com uma carreira profissional consistente e sólida experiência nas áreas de vendas e marketing, adquirida em mercados distintos através do desenvolvimento de negócios B2B e B2C junto aos principais varejistas do Brasil. Atuou em empresas como Natura, Nestlé, DPA, Warner Bros, Universal Pictures e Euronet wordwide/epay. É formado em Propaganda e Marketing pela Universidade Paulista, com MBA em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios pela FGV-SP. Ao longo de sua carreira diversificada teve a oportunidade de conhecer diferentes culturas e ambientes organizacionais, incluindo projetos no Chile, e participação em conferências e workshops na Inglaterra, EUA, Alemanha, França, Suíça, Espanha e México.

Para saber um pouco mais sobre assuntos relacionados às melhores práticas de mercado na gestão de empresas, dicas, ferramentas e metodologias, siga-nos em nossa página no Facebook e também no LinkedIn.